UM SENSO DE PROPÓSITO


Laurence Douglas Fink, ou Larry Fink, é um empresário bilionário americano. Ele é o presidente e CEO da BlackRock, uma empresa multinacional americana de gerenciamento de investimentos. A BlackRock é a maior empresa de administração de dinheiro do mundo, com mais de US $ 6,5 trilhões em ativos sob administração.


Em sua carta aberta anual de 2018 aos CEOs, Larry Fink surpreendeu a todos com um pedido: que as empresas desempenhassem um papel ativo na melhoria do meio ambiente, trabalhando para melhorar suas comunidades e aumentando a diversidade de suas forças de trabalho. A partir de então, a carta ganhou notoriedade no mundo dos negócios, e é frequentemente utilizada como um exemplo de que o mundo está mudando. Confira a carta!



Caro CEO,


À medida que a BlackRock se aproxima de seu aniversário de 30 anos este ano, tive a oportunidade de refletir sobre as questões mais urgentes que os investidores enfrentam hoje e como a BlackRock deve se adaptar para atender nossos clientes de maneira mais eficaz. É um grande privilégio e responsabilidade gerenciar os ativos que os clientes nos confiaram, a maioria dos quais são investidos para objetivos de longo prazo, como a aposentadoria. Como fiduciária, a BlackRock se envolve com empresas para impulsionar o crescimento sustentável e de longo prazo de que nossos clientes precisam para atingir seus objetivos.


Em 2017, as ações desfrutaram de uma corrida extraordinária - com altas recordes em uma ampla gama de setores - e, no entanto, a frustração e a apreensão popular sobre o futuro alcançaram simultaneamente novos patamares. Estamos vendo um paradoxo de altos retornos e alta ansiedade. Desde a crise financeira, aqueles com capital colheram enormes benefícios. Ao mesmo tempo, muitas pessoas em todo o mundo enfrentam uma combinação de baixas taxas, baixo crescimento salarial e sistemas inadequados de aposentadoria. Muitos não têm capacidade financeira, recursos ou ferramentas para economizar efetivamente; aqueles que são investidos são frequentemente superalocados em dinheiro. Para milhões, a perspectiva de uma aposentadoria segura está se afastando cada vez mais - especialmente entre trabalhadores com menos escolaridade, cuja segurança no emprego é cada vez mais tênue. Acredito que essas tendências são uma das principais fontes de ansiedade e polarização que vemos hoje em todo o mundo.


Também vemos muitos governos falhando em se preparar para o futuro, em questões que vão da aposentadoria e infraestrutura à automação e treinamento de trabalhadores. Como resultado, a sociedade está cada vez mais se voltando para o setor privado e pedindo que as empresas respondam aos desafios sociais mais amplos. De fato, as expectativas públicas da sua empresa nunca foram maiores. A sociedade está exigindo que as empresas, públicas e privadas, sirvam a um propósito social. Para prosperar com o tempo, todas as empresas devem não apenas oferecer desempenho financeiro, mas também mostrar como isso contribui positivamente para a sociedade. As empresas devem beneficiar todos os seus stakeholders, incluindo acionistas, funcionários, clientes e as comunidades em que operam.


Sem um senso de propósito, nenhuma empresa, pública ou privada, pode atingir todo o seu potencial. Em última análise, perderá a licença para operar com os principais stakeholders. Ela sucumbirá às pressões de curto prazo para distribuir ganhos e, no processo, sacrificará investimentos em desenvolvimento de funcionários, inovação e gastos de capital necessários para o crescimento a longo prazo. Ela permanecerá exposta a campanhas ativistas que articulam um objetivo mais claro, mesmo que esse objetivo atenda apenas aos objetivos mais curtos e restritos. E, finalmente, essa empresa fornecerá retornos inferiores aos investidores que dependem dela para financiar sua aposentadoria, comprar uma casa ou investir em ensino superior.


Um novo modelo de governança corporativa


Globalmente, o crescente uso dos fundos de índices pelos investidores está conduzindo uma transformação na responsabilidade fiduciária da BlackRock e no cenário mais amplo da governança corporativa. Nos US $ 1,7 trilhão em fundos ativos que administramos, a BlackRock pode optar por vender os títulos de uma empresa se tivermos dúvidas sobre sua direção estratégica ou crescimento a longo prazo. No gerenciamento de nossos fundos, no entanto, a BlackRock não pode expressar sua desaprovação ao vender os valores mobiliários da empresa enquanto ela permanecer no índice relevante. Como resultado, nossa responsabilidade de participar e votar é mais importante do que nunca. Nesse sentido, os investidores em índices são os principais investidores de longo prazo - fornecendo capital paciente para as empresas crescerem e prosperarem.


Assim como as responsabilidades da sua empresa cresceram, creceram também as responsabilidades dos gerentes de ativos. Devemos ser agentes ativos e engajados em nome dos clientes investidos na BlackRock, que são os verdadeiros proprietários de sua empresa. Essa responsabilidade vai além da obtenção de votos por procuração nas reuniões anuais - significa investir o tempo e os recursos necessários para promover o valor a longo prazo.


Chegou a hora de um novo modelo de engajamento dos acionistas - que fortalece e aprofunda a comunicação entre eles e as empresas que eles possuem. Escrevi antes que as empresas estavam muito focadas nos resultados trimestrais. Da mesma forma, o engajamento dos acionistas tem sido muito focado nas reuniões anuais e nos votos por procuração. Para que o engajamento seja significativo e produtivo - se, coletivamente, vamos nos concentrar em beneficiar os acionistas, em vez de desperdiçar tempo e dinheiro em brigas por procuração -, o engajamento precisa ser uma conversa durante todo o ano sobre como melhorar o valor a longo prazo.


A BlackRock reconhece e abraça nossa responsabilidade de ajudar a impulsionar essa mudança. Nos últimos anos, empreendemos um esforço concentrado para evoluir nossa abordagem, liderada por Michelle Edkins, nossa chefe global de administração de investimentos. Desde 2011, Michelle ajudou a transformar nossa prática predominantemente focada no voto por procuração em uma abordagem baseada no engajamento com as empresas.


O crescimento da indexação exige que agora levemos essa função a um novo nível. Refletindo a crescente importância da administração de investimentos, pedi a Barbara Novick, vice-presidente e co-fundadora da BlackRock, para supervisionar os esforços da empresa. Michelle continuará liderando o grupo de administração de investimentos global no dia a dia. Também pretendemos dobrar o tamanho da equipe de administração de investimentos nos próximos três anos. O crescimento de nossa equipe ajudará a promover um engajamento ainda mais eficaz com as empresas, criando uma estrutura para conversas mais profundas, mais frequentes e mais produtivas.


Sua estratégia, seu conselho e seu propósito


Para tornar o envolvimento com os acionistas o mais produtivo possível, as empresas devem ser capazes de descrever sua estratégia para o crescimento a longo prazo. Quero reiterar nossa solicitação, descrita em cartas anteriores, de que você articule publicamente a estrutura estratégica da sua empresa para criação de valor a longo prazo e afirme explicitamente que ela foi revisada pelo seu conselho de administração. Isso demonstra aos investidores que seu conselho está envolvido com a direção estratégica da empresa. Quando nos reunimos com diretores, também esperamos que eles descrevam o processo do Conselho para supervisionar sua estratégia.


A declaração da estratégia de longo prazo é essencial para entender as ações e políticas de uma empresa, sua preparação para possíveis desafios e o contexto de suas decisões de curto prazo. A estratégia da sua empresa deve articular um caminho para alcançar o desempenho financeiro. Para sustentar esse desempenho, no entanto, você também deve entender o impacto social de seus negócios, bem como as maneiras pelas quais tendências amplas e estruturais - do crescimento lento dos salários à crescente automação e mudanças climáticas - afetam seu potencial de crescimento.


Essas declarações de estratégia não devem ser gravadas em pedra - elas devem continuar a evoluir junto com o ambiente de negócios e reconhecer explicitamente possíveis áreas de insatisfação do investidor. Obviamente, reconhecemos que o mercado está muito mais confortável com 10Qs e cartões proxy coloridos do que discussões de estratégias complexas. Mas uma razão central para a ascensão do ativismo - e brigas desnecessárias por procuração - é que as empresas não foram suficientemente explícitas sobre suas estratégias de longo prazo.


Nos Estados Unidos, por exemplo, as empresas devem explicar aos investidores como as mudanças significativas na legislação tributária se encaixam em sua estratégia de longo prazo. O que você fará com o aumento do fluxo de caixa após impostos e como o usará para criar valor a longo prazo?


Este é um momento particularmente crítico para as empresas explicarem seus planos de longo prazo aos investidores. As mudanças nos impostos incentivarão os ativistas com um foco de curto prazo a exigir respostas sobre o uso de maiores fluxos de caixa, e as empresas que ainda não desenvolveram e explicaram seus planos terão dificuldade em se defender contra essas campanhas. A “U.S. tax bill” é apenas um exemplo. Independentemente da jurisdição de uma empresa, é sua responsabilidade explicar aos acionistas como as principais mudanças legislativas ou regulamentares afetarão não apenas o balanço do próximo ano, mas também sua estratégia de crescimento a longo prazo.


Onde os ativistas oferecem idéias valiosas - o que é mais frequente do que alguns detratores sugerem -, incentivamos as empresas a iniciar discussões cedo, a se envolver com acionistas como a BlackRock e a trazer outras partes interessadas importantes para a mesa. Mas quando uma empresa espera até que uma proposta de proxy se envolva ou deixe de expressar sua estratégia de longo prazo de maneira convincente, acreditamos que a oportunidade para um diálogo significativo já foi perdida.


O envolvimento do conselho no desenvolvimento de sua estratégia de longo prazo é essencial porque um conselho engajado e uma abordagem de longo prazo são indicadores valiosos da capacidade de uma empresa de criar valor a longo prazo para os acionistas. Assim como buscamos uma conversa mais profunda entre empresas e acionistas, também pedimos que os diretores assumam um envolvimento mais profundo com a estratégia de longo prazo de uma empresa. Os conselhos se reúnem apenas periodicamente, mas sua responsabilidade é contínua. Os conselheiros cujo conhecimento é derivado apenas de reuniões esporádicas não cumprem seu dever para com os acionistas. Da mesma forma, os executivos que vêem os conselhos como um incômodo apenas minam a si mesmos e às perspectivas de crescimento da empresa a longo prazo.

Também continuaremos enfatizando a importância de uma diretoria diversificada. Os conselhos com uma mistura diversificada de gêneros, etnias, experiências de carreira e modos de pensar têm, como resultado, uma mentalidade mais diversificada e consciente. É menos provável que eles sucumbam a pensar em grupo ou perder novas ameaças ao modelo de negócios de uma empresa. E eles são mais capazes de identificar oportunidades que promovem crescimento a longo prazo.


Além disso, o conselho é essencial para ajudar uma empresa a articular e buscar seu objetivo, além de responder às perguntas que são cada vez mais importantes para seus investidores, consumidores e comunidades nas quais opera. No ambiente atual, essas partes interessadas estão exigindo que as empresas exerçam liderança em uma ampla gama de questões. E eles têm razão: a capacidade de uma empresa de gerenciar questões ambientais, sociais e de governança demonstra a liderança e a boa governança que são essenciais para o crescimento sustentável, e é por isso que estamos cada vez mais integrando essas questões em nosso processo de investimento.


As empresas devem se perguntar: que papel desempenhamos na comunidade? Como estamos gerenciando nosso impacto no meio ambiente? Estamos trabalhando para criar uma força de trabalho diversificada? Estamos nos adaptando às mudanças tecnológicas? Estamos fornecendo treinamento e as oportunidades que nossos funcionários e nossos negócios precisarão se adaptar a um mundo cada vez mais automatizado? Estamos usando finanças comportamentais e outras ferramentas para preparar os trabalhadores para a aposentadoria, para que eles invistam de uma maneira que os ajude a alcançar seus objetivos?


Ao entrarmos em 2018, a BlackRock está ansiosa para participar de discussões sobre criação de valor a longo prazo e trabalhar para criar uma estrutura melhor para atender todas as partes interessadas. Hoje, nossos clientes - que são os proprietários da sua empresa - estão pedindo que você demonstre a liderança e a clareza que direcionarão não apenas seus próprios retornos de investimento, mas também a prosperidade e a segurança de seus concidadãos. Esperamos colaborar com você nessas questões.


Atenciosamente,



296 visualizações
Ativo 7.png
Ativo 8.png
Ativo 10.png
Ativo 9.png
Ativo 11.png

Instituto Capitalismo Consciente Brasil

2020