22 DE AGOSTO, O DIA DA SOBRECARGA DA TERRA 2020

A crise do coronavírus dá o recado: é possível diminuir nossa demanda por recursos naturais e impedir que o planeta entre no cheque especial. Veja como contribuir.


por Instituto Akatu


Chegamos ao Dia da Sobrecarga da Terra (overshoot day): 22 de agosto é o momento de 2020 em que nós passamos a demandar mais recursos naturais e serviços ecossistêmicos do que a Terra é capaz de regenerar em um ano. Em termos gerais, a data nos conta que atualmente precisamos de 1,6 planeta para suprir toda a nossa demanda de consumo. É como se a partir de hoje a Terra entrasse no “cheque especial”, ou seja, ela tem de acionar a “reserva” planetária que seria destinada à população futura para suprir a nossa demanda atual.


O cálculo para se chegar ao Dia da Sobrecarga da Terra é feito pela Global Footprint Network desde 1961. Nele, divide-se a biocapacidade do planeta pela pegada ecológica da humanidade multiplicada pelo número de dias do ano. Conheça os conceitos:


  • Biocapacidade do planeta: quantidade de recursos que a Terra pode gerar em um ano

  • Pegada ecológica da humanidade: pegada de carbono (emissões de gases de efeito estufa) da geração de energia; área construída para habitação; produtos florestais para manufatura de madeira e papel; agricultura e pecuária para produção de alimentos e pesca


É importante mencionar que o cálculo da Global Footprint Network utiliza a pegada ecológica nacional (não a individual) e que as métricas de pegada de carbono são recalculadas todos os anos para que compartilhem dados comuns e mesmo método de contabilização.


O RECADO DO CORONAVÍRUS

Talvez você se lembre que o Dia da Sobrecarga da Terra em 2019 ocorreu em 29 de julho, três semanas antes da data deste ano. Essa mudança é reflexo da redução de 9,3% na pegada ecológica da humanidade desde 1º de janeiro de 2020, em comparação ao mesmo período do ano passado. Um dado que seria ótimo, não fosse resultado direto de um momento de crise e tristeza: a pandemia do coronavírus.


Desde que começou a se espalhar pelo mundo, em fevereiro, a pandemia provocou isolamento social e desaceleração econômica. Com isso, as emissões de CO2 provenientes da combustão de combustíveis fósseis e as taxas de extração de madeira caíram substancialmente, alterando índices utilizados no cálculo, tais como:


  • Redução de 14,5% na pegada de carbono global; e

  • Redução de 8,4% na pegada ecológica de produtos florestais — importante ressaltar que essa redução poderia ter sido ainda maior não fosse o aumento do desmatamento no período, sobretudo na floresta amazônica.


É claro que uma catástrofe não pode ser o caminho para a redução de nossas pegadas ecológicas. Precisamos alcançar um futuro mais sustentável mantendo o equilíbrio da biodiversidade e sem abrir mão do bem-estar das pessoas.


O recado que a pandemia nos dá é que é possível mudar a nossa demanda por recursos naturais em um curto período de tempo e que o impacto do nosso consumo também diminui se nos limitarmos ao que é essencial.


ESTÁ PRONTO PARA AGIR?

Ainda não é possível saber quando sairemos da crise do coronavírus, mas já é hora de aprender com ela e pensar na reconstrução da economia e do mundo considerando os limites do nosso planeta — que é um só.


Para jogar o próximo Dia da Sobrecarga da Terra ainda mais adiante, precisamos agir. O movimento #MoveTheDate convida a todos a refletir sobre o seu consumo e adotar hábitos com melhor impacto, para reduzir a pegada ecológica individual e, assim, contribuir para a redução da pegada global. Veja o que você pode fazer:

MAIS DICAS


MOBILIZE AMIGOS E FAMILIARES PARA ADOTAR HÁBITOS MAIS

SUSTENTÁVEIS

Quanto mais pessoas no planeta, menos cada um poderá usufruir dele.

Com 7,7 bilhões de habitantes na Terra, a tendência é haver um aumento

no consumo, levando à destruição de habitats, extinção de espécies e

esgotamento de recursos naturais. Se o crescimento populacional continuar,

é ainda mais importante educar e empoderar os indivíduos para a adoção

de hábitos mais sustentáveis.


▶ SÓ COMPRE ROUPAS NOVAS SE FOR NECESSÁRIO

As roupas representam 3% da pegada ecológica global, portanto, toda vez

que pensar em comprar um item novo, reflita sobre a sua real necessidade

dele ou prefira comprar em lojas de segunda mão.


▶ TROQUE O CARRO PELA BIKE OU PELA CAMINHADA

A mobilidade representa 17% da pegada de carbono global. Podemos

reduzir essa pegada substituindo o uso de veículos por caminhadas

para cumprir pequenos trajetos ou pela bicicleta em trajetos um pouco

mais longos, uma vez que ela não emite gases poluentes. Também é

importante cobrar dos governantes cidades cujo planejamento favoreça

o uso deste modal.


▶ VIAJE DE MANEIRA SUSTENTÁVEL

A hospedagem escolhida, a forma de se locomover no destino e quais

tipos de alimento privilegiar estão diretamente relacionados à sua pegada

ecológica. Opte, por exemplo, por um hotel integrado à comunidade local e

equipado com fontes de energia renováveis e reduza sua pegada ecológica

em até 48% por viagem.


223 visualizações

Siga-nos nas redes sociais

  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social

Assine nossa newsletter

Todos os direitos reservados © 2020 Instituto Capitalismo Consciente Brasil