Você já ouviu falar em sobrecarga colaborativa?


por Graziela Merlina*


Os ambientes estressantes, tóxicos e de extrema pressão tem contribuído com o adoecimento da humanidade. Quadros de depressão, stress, burnout, e muito mais.


Isso nos leva a pensar e falar cada vez mais sobre a humanização das empresas e das relações profissionais. O que traz à tona necessidades como ambientes mais colaborativos, criativos, conscientes das emoções, inconformados.


Soa como um bálsamo a tanto sofrimento e dor.


Ao mesmo tempo, surgem os excessos. É como se acreditássemos que a cura de um extremo, depende da necessidade de se construir um outro extremo até que o equilíbrio seja encontrado.


E que extremo é esse?


É quando, em nome da colaboração, dizemos “sim” para tudo e todos; em nome do “nós” desconsideramos o “eu”; em nome da criatividade perdemos a simplicidade; em nome da abundância nos desconectamos do valor de cada coisa.


E isso não quer dizer que colaboração, criatividade e abundância não sejam um caminho para as dores atuais. Serão sim um caminho de cura a partir do momento em que aprendermos a ser assim, e não apenas fazer assim.


Filosófico? Talvez.


Mas, te convido a pensarmos juntos.


Você já conviveu em algum projeto ou em algum relacionamento no qual você teve a sensação de estar entrando cada vez mais em um “Buraco Negro”?


Parece que até posso ver você balançando a cabeça afirmativamente agora.

Uso aqui a expressão “Buraco Negro” de forma figurada, me remetendo a tudo aquilo que te suga e elimina a sua luz.


Lembro de ter me reconhecido ao ler o seguinte parágrafo do livro de Shawn Achor, Grande Potencial:


“… Eu costumava aceitar todos os convites para dar palestras, ouvir todas as propostas de potenciais parcerias e participar de todas as pesquisas. Adorava tudo aquilo. De repente, cheguei a um ponto que parecia que tinha assumido tantos compromissos que não conseguia passar um dia sequer sem deixar muitas pessoas na mão. Ainda por cima, eu tendo a querer agradar a todos, então você pode imaginar como a situação era penosa para mim. Ao buscar atingir o Grande Potencial, precisamos restringir a nossa exposição à “sobrecarga colaborativa”, evitando tentar ser tudo para todos e procurando adotar uma abordagem estratégica para selecionar as pessoas com quem formamos conexões.”

Me peguei pensando: “Nossa. Parece que fui eu quem escreveu isso.”


Esse tal de “Buraco Negro” está dentro de mim mesma, cada vez que eu entro em uma espiral colaborativa sem questionar, sem equilibrar o dar e receber.”


Foi então, que criei para meu próprio alerta, o termo “mindful yes”. Criei um auto-compromisso onde cada “SIM” dito por mim, precisaria ser de um lugar pleno e congruente. Um lugar onde eu me sinta fazendo parte de uma constelação de estrelas que iluminam umas as outras. E foi assim que entendi o verdadeiro antídoto para a “sobrecarga colaborativa”. Termo que fui descobrir ter sido usado pela HBR, em um publicação de 2016, com a seguinte constatação:


“A distribuição de trabalho colaborativo costuma ser extremamente desequilibrada. Na maioria dos casos, 20% a 35% das colaborações que agregam valor vêm somente de 3% a 5% dos funcionários.”

O livro Grande Potencial contribuiu para que eu pudesse aprender a identificar os três tipos de influências positivas para o seu “Mindful Yes”. E aqui, compartilho com você:

  • Pilares: São aqueles que atuam como porto seguro em momentos difíceis. São aqueles com quem você pode contar sempre. Fontes de apoio incondicional.

  • Pontes: São os que te conectam com pessoas ou recursos que estão fora do seu acesso habitual. Tem conexões e recursos diferentes dos seus. E isso não tem nada a ver com o status das pessoas.

  • Extensores: São os que te forçam a sair da sua zona de conforto. São os que tem personalidade e conhecimento diferentes dos seus. Costumamos gostar de estar com iguais, mas o que nos beneficia a ir além é a diversidade.

Se você não encontra nenhuma dessas influências em uma conexão, terá grandes chances de se deparar com um “Buraco Negro”. E vale lembrar que o seu Grande Potencial é somado pelas influências positivas e subtraído pelas influências negativas.

Fica aqui uma reflexão: o quanto do seu potencial está sendo comprometido em nome de uma “sobrecarga colaborativa”?


Pra quem curte olhar de forma mais atenta pra si mesmo, segue aqui a indicação de um assessment. Clique e leia mais, você poderá encontrar boas dicas.


Gostou do texto? Ele é um de três artigos da trilogia que aborda vulnerabilidade, escolhas e confiança. Os próximos artigos desta série já estão disponíveis para leitura, basta clicar em uma das imagens abaixo:

Graziela Merlina*

Conselheira Capitalismo Consciente Brasil

Idealizadora do HUB Consultores Conscientes @CasaMerlina

Fundadora da ApoenaRH

Game Designer

Palestrante


221 visualizações1 comentário

Siga-nos nas redes sociais

  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social

Assine nossa newsletter

Todos os direitos reservados © 2020 Instituto Capitalismo Consciente Brasil