Capitalismo consciente não é 'um gozo para idiotas inventado pela esquerda'

Negócios conscientes devem ter um propósito maior, que crie cultura e valores

por Hugo Bethlem*, Presidente do conselho do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB), para Folha de S.Paulo - Opinião 26.out.2020 às 9h30


O capitalismo consciente é a forma mais humana, ética e sustentável de gerar riqueza a todos "stakeholders", enquanto gera lucro ao acionista. E a pesquisa Empresas Humanizadas do Brasil, desenvolvida pelo professor Pedro Paro, da USP de São Carlos e o ICCB (Instituto Capitalismo Consciente Brasil), comprova todos esses pontos cientificamente.


O filósofo e colunista Luiz Felipe Pondé, a quem admiro e respeito pelo pensamento liberal, escreveu em 18 de outubro, nesta Folha, o artigo “Capitalismo Consciente é um gozo para idiotas inventado pela esquerda”. Não entendo o que o levou a essa afirmação, mas já que a trouxe proponho conhecer o ponto de vista de quem constrói o dia a dia o verdadeiro capitalismo consciente.


A afirmação “o capitalismo se caracteriza (...), por ser um sistema em que o capital tende a se reproduzir como entidade autônoma. Nesse processo, ele se torna o único valor absoluto e tudo mais se torna relativo à sua dinâmica. Esse sistema se tornou total: não há vida fora dele, mesmo quando você se ilude pensando que está operando contra ele” tem a sua verdade. Mas é justamente por isso, que o capitalismo está em xeque no mundo, mesmo tendo provado ser o melhor sistema econômico vigente, onde todos os demais ruíram.


A economista Rebecca Henderson, em seu mais novo livro “Reimagining Capitalism in a world on fire" (sem tradução ainda em português), pergunta: “O que é o capitalismo? Uma das maiores invenções humanas e enorme fonte de prosperidade? Uma ameaça à beira de destruir o planeta e desestabilizar a sociedade? Ou, alguma combinação que precisa ser reimaginada?”


No ICCB acreditamos que é “alguma combinação que precisa ser reimaginada”. E nosso propósito é ajudar a transformar o jeito de se fazer investimentos e negócios no Brasil, para diminuir a desigualdade.


O capitalismo consciente apenas existe em mercados livres, onde a iniciativa e a criatividade das pessoas para empreender e escolher seus trabalhos seja possível. Acreditamos que um negócio é bom quando cria valor, é ético ao ser baseado numa troca voluntária, é nobre quando eleva a nossa existência e heroico quando tira as pessoas da pobreza e gera prosperidade.


Os negócios conscientes devem ter um propósito maior, tratar todos os "stakeholders" de forma equânime, criar cultura e valores que garantam a sua perpetuidade e ter um líder consciente que cuida das pessoas e do nosso planeta. Capitalismo consciente não é “paz e amor, bicho, tu faz o que quiser, entrega resultado se der” — passa muito longe disso. Ser um líder consciente é ter a capacidade de organizar, mobilizar e engajar pessoas para atingir resultados, alinhados ao propósito. Não é levar as pessoas nas costas e fazer por elas. É levar as pessoas no coração e mostrar o caminho a ser trilhado.


Levar seu pet ao escritório ou jogar pebolim no trabalho não faz uma empresa mais ou menos consciente. A liderança que cuida das pessoas é que faz! Pois as pessoas são o reflexo de seus líderes e, por isso, se esses querem transformar as empresas, tem que primeiro transformarem a si mesmos.



*Hugo Bethlem é Chairman e co-fundador do Instituto Capitalismo Consciente, tem mais de 40 anos de experiência como executivo no varejo. Se especializou em gestão, empreendedorismo e governança em instituições como FGV, Cornell, Babson, IMD, Oxford e Stanford.


REPRODUÇÃO

869 visualizações4 comentários

Siga-nos nas redes sociais

  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social

Assine nossa newsletter

Todos os direitos reservados © 2020 Instituto Capitalismo Consciente Brasil