Como Miguel molda a minha liderança


por Dario Neto*, especial para o Dia dos Pais, 08 de agosto de 2021


Aos 30 anos tenho o privilégio de poder amar e ser amado pelo Miguel todos os dias há quatro anos. Em especial, nos últimos dois anos pandêmicos, com proximidade física diária e muito mais presença do que tinha experimentado antes.


Miguel tem sido um especial catalisador do desenvolvimento da minha liderança na direção dos princípios e valores que busco nutrir. Sintetizo aqui 3 paradigmas de liderança em processo particular de cura por meio da intensa experiência da paternidade:


O MEU impacto

Miguel me lembra do ciclo da vida, me lembra que somos pequenos e finitos aqui nesta Terra. A minha contribuição pessoal através dos papéis profissionais por meio dos quais tenho o privilégio de servir, não é de fato minha. Quando descobrimos que é possível enxergar nosso trabalho através da lente do propósito, é comum que nosso ego nos conduza por caminhos independentes para cumprimento desse nosso próprio propósito, na busca pelo nosso impacto.


Existe uma história por trás da nossa história e Miguel me lembra que a vida está seguindo seu fluxo e que estamos todos de passagem para cumprir um grande propósito maior comum e contribuir com a geração de um impacto social, ambiental e econômico coletivo que transcende o limite temporal da vida individual aqui;


O significado de grandeza

Quando há 10 anos, também por meus privilégios, decidi seguir um caminho empreendedor depois da engenharia, me lembro de desejar reconhecimento público e mídia um dia como produto do meu possível êxito. Olhando para as referências de empreendedorismo, elas eram fortes, resilientes, heroicas, dominavam mercados e muito masculinas, a propósito. Eu já quis ser capa de qualquer revista assim e sabia que para conseguir teria de replicar esse padrão e abrir mão de muitas coisas.


Poder acordar todos os dias com Miguel, cuidar dele, levá-lo brincar ou dar almoço as vezes tem me impactado profundamente nestes últimos dois anos e acelerado meu próprio processo de ressignificação sobre o que é ser grande e importante. Miguel me ensina que o futuro é homeostático e estar perto dele e vê-lo crescer é tão importante quanto o êxito dos empreendimentos sob minha liderança. Inclusive, essa homeostase certamente nutre a performance dos negócios e viabiliza mais perpetuidade;


A correlação de cuidado, amor e resultados

Miguel é muito carinhoso e sinestésico. Ele beija, abraça muito e diz que ama, não só a mim e Bruna, mas todo mundo. Meus dois anos distantes viajando muito - dos quatro anos de idade dele - fizeram com que ele sofresse bastante com a minha ausência e criasse grande vínculo com a mamãe Bruna. Tenho aprendido que cuidar é o novo “eu te amo” e a relação próxima de cuidado levou os mesmos dois anos para me reaproximar dele com amor e presença de verdade.


Meu relacionamento com ele e com Bruna melhoraram muito com o fluxo do cuidado, fortalecendo o amor e destravando relações muito melhores. Não preciso explicar muito para dizer que trasladar esse fluxo para a liderança gera resultados desproporcionais por meio de vínculos mais fortes e resultados mais perenes.


Tem sido um exercício diário de nutrição de novos paradigmas com muitos erros e grande necessidade de aquietamento do ego para cultivar essa liderança em evolução. Uma privilegiada jornada.


Beijão e Feliz dia dos pais!


>>


*Dario Neto é pai do Miguel e Diretor Geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

60 visualizações0 comentário